sexta-feira, 21 de maio de 2010

Nada para fazer



Depois de um hiato em que quase terminei com o “Crônicas sobre o nada”, decidi ressuscitá-lo. Confesso que sou apaixonado pelo nada e que o motivo de ter abandonado minha tão querida verve que gerou esse blog, foi a minha maldita preguiça. Nem mesmo foi a falta de inspiração, pois ainda estou cheio de idéias para novos posts. Mas o problema é que a falta de ter o que fazer me deixou acomodado. E para não quebrar o meu tão querido ócio, não postei mais nada. Mas... Agora que me dispus a voltar a escrever, decidi falar sobre o motivo que me fez parar. A FALTA DE TER O QUE FAZER! Isso não é um problema só meu, pois acredito que afeta a mais da metade da população mundial, e filosoficamente falando, achei o principio desse mal. Reza a lenda que Deus criou tudo do nada. Logo ele não tinha nada para fazer. Piorando ainda mais a situação ele criou o homem. E este por sua vez, sem nada para fazer na terra, pediu a Deus que lhe desse uma companheira. Aí veio a mulher. Adão e Eva sem nada para fazer no paraíso acabaram fazendo o que não presta. E nós, segundo a bíblia, meros mortais, ainda pagamos pelos erros do casal. Através desses exemplos posso deduzir que quando você não tem nada para fazer, coisa boa não vai sair. Afinal, o ócio pode até ser produtivo, mas no momento em que se produz algo ele deixa de ser ócio e você logo está fazendo alguma coisa. O que quero tratar nesse post é do nada como matéria-prima da vagabundagem. Como a razão de você sentar no sofá, zapear pelos canais no domingo à tarde e engordar 5 quilos no final de semana. O mais perigoso na falta de ter o que fazer é que quando você encontra algo que possa ser realmente produtivo, o espírito da vagabundagem já tomou conta do seu corpo. Ele não te deixa levantar do sofá mesmo que você saiba que precisa fazer aquela resenha da faculdade, ou estudar para uma prova importante. E quando o estágio da possessão está mais avançado, ele não deixa você ler mais nenhum texto que precisa para assistir a aula do professor mais rigoroso e te faz dormir injetando na sua alma o sono mais profundo que nem a mosca Tsé-tsé seria capaz de injetar. Fazendo com que isso se torne um ciclo vicioso e que você perca o controle da sua vida. Então, falando por experiência própria, livrem-se desse mal. Olhem-se no espelho e se verem que estão com cara de jovens idosos, com uma barriga de homem aposentado, e se sentirem preguiça até em falar com um amigo ou explicar algo que aconteceu durante o seu dia. Dirijam-se a primeira igreja universal que verem aberta, ou ao primeiro pai de santo, ou ao primeiro centro espírita, ou para aqueles são ateus, ao primeiro terapeuta. Porque senão o espírito da vagabundagem irá dominá-los de tal maneira que depois será difícil vencê-lo. E terminarão como eu, que mesmo estando em tratamento, tenho os meus momentos de abstinência. Em que, por exemplo, estou há um mês tentando tomar coragem de ir no barbeiro da esquina para cortar o cabelo.

4 comentários:

Jeh Pagliai disse...

Huahuahua, tmb sou "apaixonada" pelo não fazer nada...rs

Ahhh, bem vindo de volta...rs

Beijinhos

---
www.jehjeh.com

Macaco Pipi disse...

É TERRIVLE NA VERDADE

Gustavo disse...

Tu escreve muito bem cara, parabéns

Bruna :) disse...

olha eu acho que tenho essa doença(?) aí

aii, como amo cronicas, minhas favoritas são do Veríssimo.

Adorei!
bjus http://relatosdegarota.blogspot.com/